SOBREVIVENTES OU ABENÇOADOS?

Alegro-me muito em pertencer à Igreja Batista em Icaraí e ter o privilégio de servi-la. Igreja é uma grande bênção de Deus para nós. Algumas pessoas pensam na igreja como obrigação religiosa, um peso que têm de suportar para “conquistar” os favores de Deus. Outras pessoas acham que a igreja seria muito boa se não fossem seus membros. Um conhecido escritor evangélico da atualidade até escreveu um livro contando como “sobreviveu” à igreja e continuou sendo cristão. Alguns anos atrás, um dos livros que mais venderam tinha como título “Porque não Vou à Igreja”. Não é isso que a Bíblia ensina, mas que devemos honrar e amar as verdadeiras igrejas de Cristo, cujos membros estão empenhados em praticarem a Palavra de Deus. A Igreja é chamada de “coluna e firmeza da verdade” (I Timóteo 3:15), “corpo de Cristo” (I Coríntios 12:27), “noiva de Cristo” (II Coríntios 11:2, Apocalipse 19:7) e “templo do Espírito Santo” (I Coríntios 3:16). São títulos muito honrosos, que destacam seu papel de total importância no Reino de Deus. Lembremo-nos que quando Cristo amou a sua igreja e entregou-se por ela ele já sabia muito bem como somos, mas, mesmo assim, decidiu realizar sua obra transformadora em nossas vidas para que a igreja torne-se perfeita e linda, tal qual uma virgem noiva no dia de seu casamento (Efésios 5:25-27). Se Cristo assim amou a igreja, também devo amá-la, e cooperar com sua obra redentora e aperfeiçoadora na igreja. Ao invés de “caçar” defeitos, devo concentrar-me em ajudar minha igreja a ser o que Cristo planejou. Também é importante lembrarmos que a igreja é formada por nós, seus membros (I Coríntios 12:27). Ela é o que eu e você somos. Seus defeitos são os meus e os seus. Portanto, devo ocupar-me em, pela graça de Deus, corrigir os meus próprios defeitos, e depois então ajudar meus irmãos, e não acusá-los (Mateus 7:1-5).

Servir a Cristo e ter comunhão com irmãos é algo que não pode ser dissociado de pertencer a uma igreja. São bênçãos que só experimentamos inteiramente quando entendemos o grande privilégio de que é a uma genuína igreja de Cristo. Repito o que afirmei, e creio que os membros desta igreja juntam-se a mim: a igreja é uma grande bênção de Deus pra nós. Como Deus usa os nossos “imperfeitos” irmãos para nos abençoar! Como é bom saber que, apesar de minhas imperfeições, Deus me usa para abençoar meus irmãos! Como é bom saber que, apesar de nós, a igreja é perfeita, porque ela pertence a Cristo! Como é bom ver os membros trabalhando em amor e todo o Corpo crescendo! Como é bom saber que sou parte da grande obra que Deus está realizando! Como é bom olhar os desafios e saber que somos cooperadores de Deus!

Queridos, nunca devemos ouvir a voz da Serpente, que odeia a igreja e quer destruí-la. Não permitamos nunca que a propaganda do Inimigo se instale em nossas mentes esfriando nosso amor e trabalho. Devo sim, concentrar-me em cooperar com a obra que o Espírito Santo de Deus deseja realizar em mim e em sua igreja. Devo confiar que Cristo alcançará bom êxito em sua obra, pois ela é fruto de seu eficaz sacrifício na cruz, e a sua igreja está firmada em base sólida. Sua promessa é que ela será vitoriosa (Mateus 16:16-18). Vamos sempre contar as bênçãos, agradecê-las ao Senhor, e continuar lado a lado anunciando as preciosas boas novas da salvação por meio de Cristo.

Pr. Dalton

PASTORES QUE ME INSPIRAM

Ao longo de minha vida tive o privilégio de conhecer alguns pastores que muito me inspiraram. A Bíblia diz “Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver.” (Hebreus 13:7). O primeiro que destaco é o pastor Delcyr de Souza Lima, meu querido pai. Por ele fui batizado, e Deus usou uma de suas mensagens para convocar-me para o ministério da Palavra. Seu exemplo de amor à Bíblia marcou-me definitivamente. Fui abençoado também com um irmão pastor: Dinelcir de Souza Lima, que abandonou emprego de excelente salário e carreira promissora, porque queria dedicar-se totalmente à sua igreja. Podendo pastorear grandes igrejas, preferiu continuar pastoreando a mesma igreja que ajudou a plantar a quase trinta anos. Mesmo diante das tribulações continua firme na fé e no ministério, com a mesma alegria e entusiasmo do início de seu ministério.

Outro pastor que marcou-me profundamente foi o pastor Cornélio Dorta Bernardes. Era evangelista ardoroso e pastor sábio e paciente. Confiou a mim, ainda um jovem seminarista, tarefas de grande responsabilidade, para que eu pudesse aprender e amadurecer. Com paciência me orientava, conversando de igual para igual. Foi dele a iniciativa de promover a minha consagração ao ministério para servir como pastor à Primeira Igreja Batista em Taubaté.

Na infância conheci o pastor Zacarias Campelo, que sofreu doenças, perigos, privações, e a morte da esposa por amor aos índios, entre os quais foi nosso primeiro missionário. Já aposentado, em 1964 fundou em Recife a Igreja Batista em San Martin, a qual tive o privilégio de pastorear. Lá também conheci o pastor emérito daquela igreja, Helcias Câmara, que doutorou-se em teologia e filosofia nos Estados Unidos, mas cujas principais características eram humildade, amor, e fidelidade à Palavra de Deus.

Pastor Henrique Gomes foi um verdadeiro desbravador que há muitas décadas atrás percorreu a região da Serra Mar a cavalo e a pé espalhando o Evangelho e plantando igrejas, apesar do risco de assaltantes e onças. Foi ele quem nos apontou o distrito de Lumiar para iniciarmos trabalho missionário. Depois o pastor Márcio Lira apaixonou-se pelo trabalho missionário em Lumiar, e deixou tudo para mudar-se para lá com sua família, sendo até hoje uma grande bênção para aquela igreja. É pastor amoroso que sempre reparte bondade com suas ovelhas.

Não posso deixar de mencionar meu sogro, pastor José Viana de Paiva, exemplo de tenacidade, dedicação, e amor à Bíblia. Ensinou-me sua ricas experiências de 40 anos de ministério. E há, atualmente, os amados pastores e missionários de nossa igreja, que compartilham a mesma visão e são tão generosos em amor. Sem eles, o ministério seria mais árduo e menos profícuo.

Só posso reconhecer a imensa bondade de Deus colocando em minha vida esses pastores, e outros ainda que não caberiam aqui, que foram ou são instrumentos de Deus para nos edificar e inspirar. Espero tornar-me algum dia, pela graça de Deus, pelo menos metade do que eles são.

Pr. Dalton